Espelho Seu, Imagem da matéria, Fernando Gerheim, 2013

Espelho Seu, Imagem da matéria, Fernando Gerheim, 2013
zweiarts

Espelho Seu
Imagem da matéria
Fernando Gerheim, 2013

O trabalho de Ricardo Becker nos diz que a imagem está onde não sabemos: numa caixa de vidro, sobre o chão de espelhos, através ou em frente, além ou aquém, em cima ou embaixo, fora de foco ou distorcida, ela nunca coincide inteiramente consigo mesma. Essa imagem desviante multiplicada entre placas de Blindex e espelhos implica uma conduta, deflagra uma ação. Somos convidados, ou melhor, constrangidos a nos envolver em seu ritmo. Híbrido instável entre escultura, Penetrável, pintura, objeto cinético, construção disfuncional e armadilhas para a imagem, Espelho Seu materializa a imagem imaterial e por ela é duplicado.

Da interação em que imergimos, dos escombros onde se perderam figura e forma, emerge a imagem descontínua e intermitente. E, no entanto, sua construção infundada se refere o tempo todo à realidade circundante, com suas figuras e formas, nos vidros que o olhar atravessa e espelhos que o devolvem. Penetrável de fragmentos de reflexos e nebulosidades fantasmáticas, Espelho Seu amplia a concepção de participação da arte contemporânea até a imagem, com sua construção de paredes de vidro, quilos de talco aspergido, chão de espelho e estrutura de madeiras compridas que se cruzam em ângulos retos e remetem à própria estrutura aparente do teto. Flutuamos de cabeça para baixo no teto sob o chão.